Instituto Brasileiro de Museus

Museu do Diamante

Saiba mais sobre a Festa do Divino

publicado: 26/05/2020 15h39, última modificação: 09/12/2020 14h39

Há cerca de dois séculos, se enraizaram no Brasil colônia tradições e festejos que comumente se realizavam em Portugal. Com relação à sua origem atribuída a esse país Ibérico, as festas onde se homenageava o Espírito Santo, têm como fontes, alguns documentos que registram as celebrações ao longo do século XIV.

As festividades religiosas são realizadas em Diamantina desde o período da mineração, ressalta-se que inicialmente esses eram os principais eventos de socialização entre as diversas camadas sociais.

A Festa do Divino Espírito Santo em Diamantina ocorre após cinquenta dias da Páscoa, por meio da celebração de novenas dedicadas ao Divino Espírito e é finalizada, eventualmente, por um cortejo simbólico com figuras religiosas e profanas. A importância dessa festa secular para a cidade fez com que ela fosse registrada como Bem Imaterial do município de Diamantina em 2014.

A Festa do Divino Espírito Santo, celebração do catolicismo religioso Ibérico, se iniciava no 51º dia após a páscoa, quando ao amanhecer o sacerdote inaugurava a celebração, por meio de uma coroação simbólica do Imperador e dos dois reis que assistiam a condecoração.

Estimulada pela Rainha Isabel, para que toda a nobreza participasse desse processo litúrgico, o Imperador iniciava seu trajeto partindo da Igreja do Espírito Santo até a Igreja São Francisco. Durante essa caminhada, diversos devotos e os demais participantes da festa, acompanhavam a nobreza que entrava em cena por meio de danças que ajudavam a compor essa celebração.

Em termos de tempo de duração, a celebração continuava ao longo de duas semanas. Juntamente a essa festividade, era comum a distribuição de comida aos pobres, o que fortalecia seu caráter popular, em troca, os fiéis rogavam por pedidos de proteção contra pestes e pragas.

A tradicional Festa do Divino Espírito em Diamantina é dividida entre elementos religiosos e profanos. .

No cortejo o Divino Espírito Santo é representado por uma pomba que simboliza a pureza e a paz. .

Os 7 dons atribuídos ao Espírito Santo são representados por figurantes com vestimentas vermelhas, sendo eles: o entendimento, ciências, sabedoria, conselho, fortaleza, piedade e temor a Deus. Os doze frutos do Espírito Santo: castidade, brandura, bondade, modéstia, fé, paciência, caridade, benignidade, longanimidade, gozo, paz e humildade, são recordados por doze meninas com vestimentas azuis. .

As cores vermelhas que compõem a bandeira do Divino e as vestimentas de alguns figurantes simbolizam o fogo, alusivo ao modo que o Divino Espírito Santo se manifestou sobre os apóstolos e a Maria Santíssima. .

Em Diamantina se preserva os costumes tradicionais dessa festividade, alguns elementos da Festa do Divino Espírito Santo fazem referência à realeza portuguesa do início do século XIV, com representações e coroação do imperador e da imperatriz na pessoa dos festeiros da festa.

O Museu do Diamante/Ibram prioriza a democratização do acesso aos seus espaços e busca contribuir com a preservação da história e da memória da população diamantinense. Para isso, o Museu realiza diferentes ações e apoia vários eventos e manifestações culturais.

Entre 2018 e 2019 o Museu do Diamante/Ibram recebeu a mostra temporária sobre a Festa do Divino Espírito Santo em Diamantina. A realização das exposições ocorreram por meio da parceria do Museu com a Secretaria de Cultura, Turismo e Patrimônio/Prefeitura Municipal de Diamantina.

Em 2018 a mostra da Festa do Divino Espírito Santo atraiu 725 visitantes locais e de outros lugares do país e no ano seguinte, em 2019, recebeu 905 pessoas. Essas exposições temporárias foram palcos para discussões sobre a importância da Festa do Divino, patrimônio cultural imaterial de Diamantina, com os estudantes das redes públicas e privadas da região e com membros da população em geral. Também serviu para que os turistas conhecessem uma das manifestações culturais que acontecem na cidade.

O Museu do Diamante/Ibram em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura de Diamantina desenvolve ações de valorização da cultura local, em um diálogo constante com os mais diversos setores e representantes da sociedade diamantinense. Ao se trabalhar com as manifestações culturais da cidade, o Museu contribui para o fortalecimento da identidade, fomenta as diversidades culturais, auxilia no processo de pertencimento e orgulho do território e contribui para a formação e promoção da cidadania.