Instituto Brasileiro de Museus

Museu do Diamante

AÇÃO EDUCATIVA

Como seria a quarentena nos séculos XVIII e XIX?⁣

publicado: 30/07/2020 13h34, última modificação: 09/12/2020 14h35
SANTA – Material/Técnica: douramento/entalhe/folha de ouro/madeira/policromia/tinta⁣
Produção: Séc. XVIII.⁣

Existem hoje diversas recomendações sanitárias relativas aos cuidados que devemos tomar para evitar a propagação do covid-19. Nos séculos passados, entretanto, tais recomendações seriam muito difíceis de se pôr em prática, tanto por causa das tecnologias disponíveis na época, quanto devido ao imaginário e aos hábitos de sociabilidade e higiene em voga no período. ⁣

Que tal fazer um passeio virtual pelo Museu do Diamante refletindo sobre essas questões?

Água encanada e saneamento básico são invenções muito recentes. Nos séculos passados, a água para a higiene e para as diversas tarefas domésticas era buscada nos chafarizes públicos, ou em córregos que abasteciam os quintais daqueles mais afortunados. Tarefas simples do dia a dia como usar o banheiro envolviam hábitos que hoje nos parecem repugnantes: a cadeira sanitária, por exemplo, era um artigo de luxo na época. Um penico era inserido em seu interior e tinha de ser manualmente limpo após o uso.


CADEIRA FURADA (USO MASCULINO) – Material/Técnica: madeira/ marcenaria/ torneado⁣
Produção: Minas Gerais – Séc. XIX
Imagem com fundo claro com a foto de uma cadeira sanitária nas cores marrom escuro/claro. A cadeira sanitária é diferente das outras pelo seu formato, há um buraco no seu assento, que é removível, com uma tampa. Frase “Higienize bem as mãos! (Cadeira sanitária - no século XVIII não tinha nem descarga". No rodapé, logomarcas institucionais.⁣
ALCOVA – Sala do circuito interno da exposição permanente do Museu do Diamante.

A alcova é um cômodo muito comum nas moradias lusobrasileiras do período colonial, caracterizado por não possuir janelas. De acordo com os padrões sanitários da época, a ventilação era considerada um fator de risco, que trazia miasmas e doenças. Por essa razão, era comum que os enfermos permanecessem nesses recintos, durante a convalescença. Só a partir de meados século XIX é que a ventilação natural e a entrada de luz passaram a ser valores positivos para a salubridade dos ambientes, segundo os parâmetros sanitários e científicos.⁣

ORATÓRIO DE POUSAR – Material/Técnica: douramento/entalhe/folha de ouro/madeira/pedra/policromia/tinta/vidro⁣
Produção:Minas Gerais – Séc. XIX⁣.

As missas, procissões e eventos do calendário religioso eram, durante o período colonial, ocasiões muito importantes para a sociabilidade das pessoas e afirmação de status social. As procissões, por exemplo, eram extremamente concorridas – carregar os andores dos santos e ocupar os lugares de destaque eram honras disputadíssimas pelos fiéis.

Atualmente, devido à pandemia de covid-19, as igrejas e templos se encontram fechados, por serem locais de grandes aglomerações.

Como será que reagiriam nossos antepassados a proibições desse tipo? Se mesmo hoje, com o advento do estado laico e as recomendações sanitárias aprovadas pela ciência, ainda existe grande resistência à proibição das missas e cultos em virtude da pandemia, é provável que no período colonial, época em que o sentimento religioso dominava todas as esferas da existência, essa tarefa fosse ainda mais difícil.

Com a ausência de água encanada nas moradias, era preciso buscar e transportar a água dos chafarizes públicos. Os padrões de higiene eram muito distintos dos atuais, sendo comum encontrar nos quartos de dormir das elites objetos como a bacia e o gomil, usado para a higiene matutina das mãos e do rosto. Os banhos, entretanto, eram pouco frequentes, e o reaproveitamento da água para essa atividade era algo comum.

Imagem com fundo claro com a foto de uma bacia com um gomil, objetos usados para a higiene pessoal. Há ilustrações coloridas que remetem à natureza nos objetos, que são das cores azul e branco. Frase “Mantenha sua higiene pessoal!". No rodapé, logomarcas institucionais.⁣
GOMIL COM BACIA –
Material/Técnica: policromia/porcelana/queima/tinta⁣
Autoria: Franz Ant. Mehlem – Séc. XIX. ⁣
Produção: Alemanha/Europa.
Imagem com fundo claro com a foto de um piano nas cores marrom escuro/claro, preto e branco. Frase “Fique em casa, não faça visitas neste momento!". No rodapé, logomarcas institucionais.⁣
PIANO – Material/Técnica:madeira/marfim/metal/marcenaria/entalhe/faixeado/fundição⁣
Autoria: John Broadmood & Sons – Séc XIX.⁣

Durante o século XIX, as elites mineiras procuravam reproduzir em seu cotidiano os hábitos de lazer em voga na Europa. Entre eles, era comum a realização de saraus para muitos convidados, nos quais eram tocadas valsas, polcas, e outros gêneros da música de salão de origem europeia. Durante a pandemia de covid-19, é muito importante observar o distanciamento social, e mesmo assim muitas pessoas têm desobedecido tais regras promovendo festas e encontros em casa. Será que nossos antepassados se comportariam melhor diante dessa situação, ou não resistiriam à tentação de chamar os amigos para um sarau de música?⁣


Conteúdo: Setor Educativo do Museu do Diamante/Ibram.