Instituto Brasileiro de Museus

Museu do Diamante

15ª Primavera dos Museus 2021

Tema: “Museus: perdas e recomeços”

publicado: 20/09/2021 18h40, última modificação: 29/10/2021 20h42

Na 15ª Primavera dos Museus, o Museu do Diamante promove a Ação Educativa Virtual “Perdas e Recomeços”, que visa explorar as experiências do público do MD no contexto desafiador da pandemia da Covid-19, compreendendo o Museu como espaço de acolhimento, interlocução e elaboração de memórias e afetos.

PERDAS

Ao convivermos com tantas perdas e dores causadas pela pandemia de Covid-19, é impossível não refletirmos sobre o impacto deste acontecimento em nossas vidas. Diante desta condição incontornável, a 15ª Edição da Primavera dos Museus não poderia deixar de propor um tema sem que refletisse a função dos museus neste momento.
Os museus são lugares de guarda do que restou. Museus guardam o que sobrou de momentos grandiosos ou terrivelmente tristes da experiência e da vida humana. Os museus, tendo em seus acervos elementos do que restou, memórias de momentos que se acabaram, lembranças de emoções transmutadas na materialidade dos objetos, tornam-se grandes bibliotecas de emoções humanas, grandes repositórios de sentimentos e experiências que a humanidade viveu. Essa experiência acumulada de várias perplexidades que a humanidade já atravessou está dentro dos museus.
Neste cenário de perdas tão descomunais, os museus são também chamados a acolher os indivíduos. Museus também precisam ser espaços de afeto, de acolhimento, de apoio à sociedade nessa travessia. Ao mesmo tempo em que nos trazem a memória, os museus nos falam da perda e do que se perdeu. A perda está gravada nos próprios objetos dentro de um museu, que se deterioram e sofrem danos, às vezes irreparáveis, com a passagem do tempo.
Elaborar a perda é necessário, conhecer o que se perdeu é um caminho para seguir em frente. Os museus, enquanto espaços de memória, enquanto locais onde a perda é documentada e materializada, são também espaços de elaboração da perda, de reflexão e de construção de novos rumos.
Nos comentários da postagem no instagram do MD, fizemos um convite para as pessoas compartilhassem conosco as suas perdas e angústias neste momento tão difícil e doloroso que atravessamos. Que ele possa servir de catarse e de registro da memória para ensejar recomeços na vida de cada um de nós!

*Adaptado do texto de referência da 15a Primavera dos Museus/Ibram

Nuvem de palavras | Perdas

RECOMEÇOS

À perda, de algum modo, estamos todos sujeitos. Mas há sempre algo que resta, que persiste, que sobrevive. De certo modo, nós somos como museus vivos e como os museus, somos guardiões de fragmentos de algo que embora tenha acabado, ainda está aqui conosco, em nós.

Que os museus possam, então, trazer para a sociedade a visão de que quando a tempestade passa, a humanidade sempre se levanta. Se a primeira função dos museus seria guardar as perdas e o passado, é também verdade que nos museus a ressignificação do que se guarda tem seu recomeço. De uma totalidade restam fragmentos daquilo que se perdeu, e é a partir desses fragmentos que se reconstitui o passado, se entende presentes e se projetam futuros. Mesmo que não tenha sobrado tudo, tenha sobrado pouco ou mesmo quase nada.

Propomos, nesta Primavera de Museus, pensarmos os resíduos, o que restou, como ponto de partida para um recomeço possível, seja a partir do sonhado, ou para um recomeço necessário, partindo dessa premissa, a de que a missão dos Museus é ser guardiões de resíduos da história, mas também espaços de ressignificação dessas e de tantas perdas.

No caso do Museu do Diamante, este é o momento de um grande recomeço: estaremos temporariamente funcionando em novo endereço, a Casa de Chica da Silva, em virtude da interdição do edifício sede do MD devido a problemas em sua estrutura arquitetônica e elétrica. Perdemos temporariamente o nosso antigo espaço, mas estamos prontos para recomeçar cheios de energia e para receber nossos visitantes com toda a segurança.

No espaço dos comentários do post nas redes sociais, convidamos as pessoas a compartilharem com a gente as superações e recomeços que elas têm experimentado neste momento. Lancemo-nos em um novo e melhor recomeço!

*Adaptado do texto de referência da 15ª Primavera dos Museus/Ibram