Instituto Brasileiro de Museus

Museu do Diamante

.

Mês da Mulher – Chica da Silva: a mulher por trás do mito

.

publicado: 09/03/2022 16h11, última modificação: 16/05/2022 23h10

Durante o mês da mulher, o MD irá trazer até você um pouco da história de Chica da Silva, mulher negra e personagem feminina de fundamental importância para a memória social da cidade de Diamantina e do Brasil.

IMAGEM: Marcial Ávila, “A Cobiça”

As representações de Chica da Silva foram instrumentalizadas de diversas maneiras dentro do imaginário coletivo e da indústria cultural, se afastando muitas vezes da personagem histórica e a partir de interesses e olhares diversos.

Chica da Silva nasceu entre 1731 e 1735, no povoado de Milho Verde, integrante da Demarcação Diamantina. Era filha de Maria da Costa, mulher negra escravizada, e de Antônio Caetano de Sá, homem branco que possuía a patente de Capitão. Vivia no Arraial do Tijuco como escravizada do médico português Manuel Pires Sardinha até 1753, quando teve início o quarto Contrato (sistema então vigente para o controle e exploração dos diamantes), arrematado por João Fernandes de Oliveira. O novo Contratador compra Chica de seu antigo proprietário e a alforria em 25 de dezembro do mesmo ano.

Embora não tenham se casado oficialmente (a união entre pessoas de estratos sociais distintos era proibida no período), Chica e João Fernandes mantiveram uma relação estável e longa, e juntos tiveram 13 filhos – todos reconhecidos oficialmente pelo Contratador, que garantiu-lhes um patrimônio e uma educação esmerada.

Ao associar-se a um homem poderoso, pertencente à elite tijucana, Chica da Silva procurou utilizar os mecanismos disponíveis para alcançar alguma inserção dentro da sociedade escravista. Adotando os hábitos das elites locais, Chica afirmou-se como patrona das artes e da cultura, promovendo bailes, óperas e saraus em sua Chácara da Palha. O reconhecimento social que alcançou foi demonstrado por seu ingresso nas principais irmandades religiosas existentes no Tijuco e seu sepultamento no corpo da Igreja de São Francisco.

IMAGEM: Marcial Ávila, “A Esperança”

A primeira menção existente na historiografia sobre Chica da Silva ocorreu em meados do século XIX, pela pena do memorialista Joaquim Felício dos Santos nas páginas do periódico O Jequitinhonha, na qual ela é descrita como uma mulher feia e desprovida de atrativos, de “feições grosseiras”. Tal descrição pejorativa deve ser interpretada a partir do contexto histórico em que foi produzida: uma sociedade escravista, fundamentalmente patriarcal e racista.

A partir do século XX, surgiram diversas representações de Chica da Silva capitalizadas pela indústria cultural (livros, filme, novela, etc), que, embora apresentem-na sob um viés mais positivo, e tenham sido responsáveis pela elevação da figura de Chica à categoria de mito nacional, também pouco se atém à personagem histórica, e muitas vezes acabam por reforçar estereótipos sobre a mulher negra.

Chica ora é vista sob a chave de mulher hiper sexualizada, que teria “enfeitiçado” o Contratador. Tal imagem é contestada pela historiografia, levando-se em conta o fato de Chica, ao longo de sua vida, ter gerado 14 filhos: isso a aproximaria mais da imagem da matrona e progenitora do que à da mulher lasciva projetada nas telas e no imaginário coletivo.

Chica também costuma ser representada como uma mulher cruel e dominadora, que praticava atos violentos contra seus escravos. Mais uma vez, a historiografia irá contestar tal visão, amparada na documentação disponível e no fato de que, na sociedade mineradora, era recorrente que as pessoas alforriadas, tão logo alcançassem a liberdade e reunissem condições materiais, se tornassem elas mesmas proprietárias de escravizados.

Os mitos criados em torno de Chica da Silva nos ajudam a perceber as dificuldades que as mulheres historicamente encontram na luta para se afirmar em meio a uma sociedade preconceituosa e patriarcal.

Fonte: FURTADO, Júnia. Chica da Silva e o Contratador dos diamantes. São Paulo: Cia das Letras, 2003. 

Profª. Drª. Júnia Furtado

A historiadora Júnia Furtado (UFMG/UNIFESP) gravou este vídeo, a convite do Museu do Diamante/Ibram, no qual nos traz um pouco de suas pesquisas históricas acerca de Chica da Silva. Júnia Furtado é autora do livro Chica da Silva e o Contratador dos diamantes: o outro lado do mito (Cia das Letras, 2003), obra de referência para se compreender a história de Chica da Silva e as dinâmicas sociais vigentes no antigo Arraial do Tijuco.

Nossos agradecimentos à Professora Júnia e nosso convite para que você assista ao vídeo e conheça um pouco mais da história de Chica da Silva: a mulher por trás do mito!